Revelações (Dos Pergaminhos Esquecidos de Gabrielle)


Passados alguns dias da chegada de Sarah à sua casa, ela conversa com sua velha mãe, Lila:
- Mamãe, esta casa precisa de reparos.
- Depois que eu fiquei sozinha, não tive forças nem ânimo para manter esta casa de pé. – diz Lila, sentada numa cadeira, com ar triste.
- Mamãe, eu estou de volta! – Sarah tenta reanimá-la – Nós temos uma a outra. Infelizmente, não podemos mudar o que aconteceu, mas também não podemos pensar que a vida perdeu o sentido. Qualquer hora a tia Gabrielle vem nos visitar e vai encontrar de novo a casa assim?
Lila baixou a cabeça, deu um longo suspiro e concordou:
- Você tem razão, minha filha! Vamos reformar a casa!
- Vamos começar com as velharias. Podemos guardá-las lá fora, no celeiro. Venha, mamãe! – diz Sarah, puxando sua mãe pela mão.
Chegando ao quarto de sua mãe, que outrora havia sido o quarto também de Gabrielle, Sarah encontra um velho baú, apodrecido pelo tempo. Ela o abre.
- Nossa, mãe, cada coisa aqui dentro... – surpreende-se Sarah e tosse – Tudo mofado.
- São as coisas de sua tia. Eu guardei de lembrança. – explica-se Lila – Quando ela se foi atrás da Xena, eu peguei tudo dela e guardei aí dentro. Jamais abri novamente.
- Nossa! Deixe-me ver... hum... roupas, brinquedos, mapas... – Sarah para de falar de repente, dá um sorriso e pega o que encontrou, levando até sua mãe, que estava sentada na cama.
- Os pergaminhos de minha irmã. – sorri Lila, emocionando-se – Estes são os pergaminhos que Gabrielle escreveu antes de ir embora. Muitos nem cheguei a ler.
Sarah desenrola um dos pergaminhos e começa a ler:
- “ Minha família jamais entenderia o que se passa em meu coração. Parece um erro, mas é o que eu sinto. Nenhum garoto aqui de Potédia me interessa. Pérdicas é bom, gentil, mas eu não o amo como homem. Como dizer isso à todos?
Trago dentro de mim um sentimento que nem eu mesma sei direito o que é. Como se faltasse algo ou alguém... Me sinto incompleta, não sou como gostaria de ser. Não poder dizer o que sinto aos meus pais é sufocante. Ninguém por aqui é como eu, pelo menos não que eu tenha percebido.
Estou a frente de meu tempo. Não vejo o que sinto como algo errado... ”
Sarah para de ler por alguns segundos e olha para sua mãe, que parecia surpresa.
- Continue. – pede Lila, sem tirar os olhos do chão.
- “ Tenho ouvido falar de Xena, uma guerreira sanguinária. Eu queria ser como ela, mas eu queria poder fazer o bem, defender os mais fracos. Não quero ser uma assassina, mas quero ser uma guerreira, como essa tal de Xena.
Aliás, este nome me faz sentir calafrios e eu não entendo o motivo. Eu queria conhecê-la um dia, queria ver se ela é mesmo tudo o que dizem. Cada vez que ouço falar dela, sinto como se já a conhecesse. É estranho e, ao mesmo tempo, assustador. ”
Lila interrompe a leitura de Sarah:
- Eu sempre soube que a Gabrielle era diferente. Ela não conseguia se adaptar aos nossos costumes. – relembra.
- Este pergaminho acaba aqui. – diz Sarah.
- Pegue outro! Deve ter mais coisa aí! – sugere Lila.
Sarah vai abrindo os pergaminhos, mas só encontra relatos sobre a infância de Gabrielle. Ao abrir o último, ela encontra o que procurava, e lê:
- “ Ela veio até mim. Não sei como, mas chegou até mim. A certeza que eu procurava foi encontrada hoje. Agora eu sei o que quero. Vou embora com Xena.
Ela é exatamente como eu imaginava, tão linda e forte. Aquele olhar expressivo me desestabiliza. Ela não quer me levar com ela, mas eu irei segui-la, seja aonde for.
Agora eu sei... era ela o que faltava na minha vida. É ainda tão estranho este fascínio que Xena exerce sobre mim, mas ao mesmo tempo é tão bom. Sinto como se a conhecesse há anos, é como se não faltasse mais nada...
Estou pronta. Irei embora quando anoitecer, quando meus pais estiverem dormindo. Melhor não tentar explicar nada, senão tentarão me impedir. Não quero magoá-los.”
- Acabou, mamãe. – diz Sarah.
- Eu vi quando sua tia foi embora. Ela era muito estabanada e me acordou quando fez barulho ao tentar sair daqui desse quarto. – relembra Lila – Me lembro como se fosse hoje. Gabrielle dizendo que seu lugar era ao lado da Xena. No começo, eu não entendia, mas com o tempo tudo ficou muito claro. E estes pergaminhos revelam o que sempre tive certeza.
- Minha tia é uma mulher de muita coragem. – conclui Sarah.
- É sim, Sarah. Gabrielle é admirável. Conquistou o amor de Xena e se tornou uma grande guerreira.
Lila pega os pergaminhos e abraça sua filha.
No dia seguinte, a casa estava um pouco mais arrumada, com os pergaminhos de Gabrielle emoldurados e pendurados na parede da sala.



por Math Pitbull


Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. Muito bom, Math, parece que foi assim mesmo que aconteceu...
    Adorei...

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Obrigado!
    Sabemos muito sobre o passado de Xena, mas o de Gabrielle não. Imagino que tenha sido mais ou menos isso aí que escrevi rsrsrs

    bj

    ResponderExcluir
  3. Adorei! Também penso que foi assim. Parabéns!!
    M.L.

    ResponderExcluir

Para evitar comentários com conteúdo chulo e ofensivo, todos serão moderados, certo?

Ѳ Comente pelo Facebook!

Ѳ Mais Vistos