As Fúrias



As Erínias (Fúrias para os romanos) eram as forças de retribuição personificadas como três deusas donzelas imortais. Os deuses as rejeitavam, mas as toleravam. Os homens fugiam delas.
Elas nasceram das gotas do sangue de Urano quando ele foi castrado por Cronos. Pavorosas e cruéis, as Erínias encarregavam-se de criar nas almas pecadoras o remorso e a necessidade de perdão.
- Tisífone, a vingadora dos assassinatos e homicídios, principalmente daqueles praticados contra os pais, irmãos, filhos e parentes. Ela açoitava os culpados, enlouquecendo-os.
- Megera, personifica o rancor, a inveja, a cobiça e o ciúme. Castigava principalmente os delitos contra o matrimônio, em especial a infidelidade. É a Erínia que persegue, fazendo a vítima fugir eternamente. Grita a todo momento nos ouvidos do criminoso, lembrando-lhe das faltas cometidas.
- Alecto, a implacável, eternamente encolerizada, encarregava-se de castigar os delitos morais como a ira, a cólera, a soberba etc. É a Erínia que espalha pestes e maldições. Segue o infrator sem parar, ameaçando-o com fachos acesos, não o deixando dormir em paz.

De início eram as guardiãs das leis da natureza e da ordem das coisas, no sentido físico e moral, o que as levava a punir todos os que ultrapassavam seus direitos em prejuízo dos outros, tanto entre os deuses quanto entre os homens.
Só mais tarde é que elas se tornaram especificamente as vingadoras do crime, particularmente do sangue parental derramado.
São elas as forças primordiais cuja função essencial é guardar a recordação da afronta e de fazer o criminoso pagar, seja qual for o tempo necessário para isso. As Erínias representam o ódio, a recordação, a memória do erro, e a exigência de que o crime seja castigado. São representadas com asas, os cabelos emaranhados de serpentes e trazendo nas mãos tochas ou chicotes.

As Erínias são acusadas de doenças, abalos de saúde, loucura e morte.
O seriado se passa na Grécia, mas as Erínias são chamadas de Fúrias e foi assim que as conhecemos. Ao contrário do que ensina a real mitologia, em Xena- Princesa Guerreira, elas foram representadas de forma cõmica e fisicamente mais agradáveis aos nossos olhos.

A primeira vez que elas surgiram no seriado foi no episódio que leva seu nome: "As Fúrias", onde Xena é perseguida por elas, a pedido de Ares, para que ela mate sua mãe, Cyrene, num ato de vingança pelo assassinato de seu pai. Porém, fazendo isso, Xena seria eternamente atormentada por elas. Mesmo louca, Xena conseguiu se livrar da culpa imposta pelas Fúrias.

O segundo episódio em que elas se destacaram foi em "Motherhood", onde elas perseguiram Gabrielle para fazê-la matar Eva, filha de Xena. Ao obterem seu objetivo, elas saem da mente de Gabrielle. Esse feito fez com que presenciássemos uma das cenas mais terríveis de toda a série: Xena lançou o chakram em Gabrielle num ato impulsivo ao ver que ela havia atacado sua filha. Porém, Ares, num ato de amor, salva as duas, Eva e Gabrielle.

No episódio seguinte, "Coming Home", as Fúrias atacam novamente e sua vítima agora é Ares. Elas o enlouquecem e fazem com que ele mate Xena. Durante uma briga entre os dois, Xena lança o chakram, que após rebater várias vezes, acerta as Fúrias desprevenidas e mata as três de uma só vez. Xena é quase morta, mas Gabrielle a salva e Ares se arrepende profundamente.
De modo irreverente, as Fúrias foram sem dúvida personagens muito bem utilizadas na série. Ao vê-las nós sentimos um misto de raiva e alegria, devido aos seus atos horríveis e também pelo modo como elas os faziam.


por Math Pitbull

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para evitar comentários com conteúdo chulo e ofensivo, todos serão moderados, certo?

Ѳ Comente pelo Facebook!

Ѳ Mais Vistos