Visão Maintexter: Comentando os Episódios de XWP – Is There a Doctor in the House?


Ao que muitos preferem chamar de subtexto, eu chamo de maintexto.
Para bom entendedor, meia cena basta.


Xena e Gabrielle estão seguindo para Atenas e cruzam um caminho onde está acontecendo uma guerra entre Tessálios e Mitoanos. Elas se escondem e logo depois encontram a amazona Ephiny ferida e prestes a dar a luz. Phantes, seu marido, fora morto.
Xena sai à procura de um lugar seguro para Ephiny poder ter o bebê e encontra um Mitoano seguindo um Tessálio. Ela acerta o Mitoano com o chakram e leva ele e Ephiny até um templo Tessálio de Asclépio, deus da medicina.
Lá, o sacerdote Galen coloca as pessoas feridas no altar e pede a cura para Asclépio. Xena não concorda com este método e resolve ajudar os feridos usando suas técnicas de cura, sob os olhares curiosos dos jovens Hipócrates e Demócrito, aprendizes de Galen. Este não concorda com o estilo de Xena.
Enquanto Hipócrates se impressiona com o conhecimento de Xena, Demócrito demonstra interesse por Gabrielle.
Detalhe: ela não está nem aí pra ele.
Gabrielle trata o ferimento de Marmax, o mitoano que Xena ferira, e lhe conta uma história, fazendo-o refletir. Pouco depois, dois soldados feridos são levados ao templo. Um deles morre sob a tentativa de Gabrielle em salvá-lo. Ela se sente culpada e Xena a consola.
Na verdade, quem se sente mesmo culpada é Xena, por se deixar permitir manter Gabrielle ao seu lado, forçando-a involuntariamente a presenciar cenas de horror. Podemos ver isso em sua expressão quando Gabrielle sai.


Marmax vai até Xena e comenta o quão Gabrielle é uma garota amável. Xena concorda.
Ao concordar, ela olha para Gabrielle, que está distante deles, de uma forma belíssima.


Xena dá uma lição de moral em Marmax, que reflete um pouco mais.
Demócrito observa Gabrielle enquanto ela cuida de um ferido e lhe diz que seu modo de falar com o homem lhe deu paz. Ela diz não ser curandeira, mas sim Xena. Ele discorda.
Xena tem o dom da cura física, Gabrielle tem o dom da cura espiritual. Em outras palavras, ela é uma psicóloga ou algo do gênero.
Um homem pede para que Gabrielle vá buscar seu filho e ela sai do templo em busca da criança.
Ephiny sente as dores do parto e Marmax conversa com ela, que diz que estava indo para Atenas com Phantes para ter seu filho lá, pois o povo é mais tolerante.
Segundo a mitologia, a intolerância em casos de relacionamentos afetivos entre pessoas que não fossem um homem e uma mulher era inexistente. Porém, a série, apesar de se passar na Grécia Antiga, trás questões que vivemos nos dias de hoje.
Ephiny não queria ser vítima de preconceito por ser casada com um centauro e ter um filho dele. O mesmo se aplica para Xena e Gabrielle. Para não serem taxadas pela sociedade, elas não assumem seus sentimentos.
Gabrielle volta ao templo ferida e sendo carregada em uma maca, porém consciente. Enquanto Xena trata seus ferimentos, Gabrielle chama por Ephiny para lhe passar seu direito de casta, crendo que irá morrer, mas a amazona não aceita.
O exército Mitoano resolve atacar o templo e Demócrito é ferido. Xena cuida dele sem tirar os olhos de Gabrielle. Pouco depois, ela vai até a garota e conversa com ela, que dorme.
Único comentário: o que é o amor, não é?


Enquanto o templo é vítima dos ataques entre Mitoanos e Tessálios, Ephiny entra em trabalho de parto. Xena faz uma incisão e retira o bebê centauro, para a alegria de todos. Porém, Gabrielle começa a ter espasmos e Xena corre até ela, que está incontrolável. Nesse momento, os soldados Mitoanos entram no templo, mas são impedidos de atacar por Marmax. Ele põe um fim à guerra.
Gabrielle se debate e de repente pára, parecendo estar morta. Xena faz de tudo para reanimá-la, mas é em vão. Então, ela se desespera e implora para que Gabrielle respire. Os outros dizem que a garota está morta, mas Xena não aceita e continua tentando trazê-la de volta. Sem sucesso, ela começa a socar o peito de Gabrielle, descontrolada e gritando para que ela não a deixe. Num último soco, mais forte, Gabrielle volta a respirar e é amparada nos braços de Xena, que muda o significado de suas lágrimas. Antes, lágrimas de aflição e tristeza, depois, de alívio e alegria.
Esta é a primeira vez em que vemos Xena totalmente desarmada e entregue à emoção. A idéia de perder Gabrielle faz com que ela mostre isso sem nenhum pudor. Agora ela sabe, e nós sabemos, o quanto Xena ama Gabrielle e o quanto já está dependente deste amor.


Marmax se despede de Xena e agradece a ela e Gabrielle por tê-lo feito mudar. Hipócrates anota tudo o que aprendeu com Xena para que as gerações futuras de curandeiros (médicos) saibam como agir para curar as pessoas feridas. Gabrielle vê Ephiny e o bebê e fica feliz, dizendo ser tia.
Ao contrário do que muitos pensam, o sentimento de Gabrielle com relação a Ephiny é apenas familiar. Ephiny amava seu marido Phantes.
Xena e Gabrielle saem do templo e vão embora. A barda agradece por Xena salvá-la novamente e Xena diz que ela voltou por ela mesma. Gabrielle diz que do outro lado encontrou sua avó, um tio e Talus, o qual pediu para que ela cumprimentasse Xena em seu nome.
Em outras palavras, Gabrielle foi para o limbo quando estava desacordada. Pelo menos é nisso que ela acredita. O fato de ter visto ou sonhado com Talus apenas significa que ele foi uma das últimas pessoas que ela gostava muito que morreu em sua presença. Este fato ainda estava presente em seu inconsciente.
No mais, Xena e Gabrielle seguem suas vidas. 



por Math Pitbull

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Lindo , realmente lindo, amo demais esse episódio!! =)

    ResponderExcluir
  2. Esse episodio é realmente muito bom, e esse é um dos vários momentos, em que Xena fica totalmente desesperada pelo fato de perder Gabrielle.

    ResponderExcluir

Para evitar comentários com conteúdo chulo e ofensivo, todos serão moderados, certo?

Ѳ Comente pelo Facebook!

Ѳ Mais Vistos