XWM Interview... Steven L. Sears!

Esta é a versão original em inglês (abaixo, a tradução)






Steven Lee Sears is a writer and TV producer U.S.. It has been known worldwide for writing and co-producing the series Xena: Warrior Princess. While initially began his career as an actor, Sears had great success with his writing and began to devote himself full time to this, in 1984 (with the series Riptide), amassing an impressive resume as a writer, editor and producer on shows like Stingray, The A-Team, JJ Starbuck, The Highwayman, Father Dowling Mysteries, Swamp Thing and Raven. He also wrote for shows like Hardcastle and McCormick, Superboy, The Hollywood Detective, Jesse Hawkes, Hardball, Grand Slam and Walker, Texas Ranger. Sears currently resides in Los Angeles, California and is represented by Stein Agency. Steven, a sweet as only he gave us this incredible interview, hope you enjoy! 



Monique Cantuário - How did you receive the invitation to join the team XWP? And what was your reaction? 

Steven L. Sears - One of the original producers of Xena was Babs Greyhosky. She was only on the series for the first six episodes. I’ve known Babs for years, so she called me and said she was working on a new series that she felt I might enjoy writing. So she brought me in to meet Rob and RJ and everyone else. I already knew about Hercules and I thought that was a fun show. So they showed me the original Hercules episodes with Xena and I thought it was a fantastic idea. Especially if it preserved the same humor and heart as Hercules. In that meeting, I was asking a lot of questions and I described an idea for an episode. That idea became DREAMWORKER. They hired me to write the script and after they read it, they asked me to come on board as a Creative Consultant. They already had their producer positions filled, but I wanted to work on the show so I agreed. When Babs left the show, I was promoted into the Supervising Producer position. 

MC - When Gabrielle decided to follow Xena, she was just a young bard and dreamy. Where did the idea to turn it into an Amazon princess? 

SS - Many times, some things are written into scripts merely to serve that particular story, but start to take on a continuing life of their own. That was the case with the Amazon Princess idea. Rob wanted an episode that included Amazons. I watched the Hercules episodes dealing with Amazons and, though I liked them, they weren’t the way I pictured Amazons. So instead of using their concept of Amazons, I decided to create the idea of the Amazons as a once mighty nation of tribes broken up and dispersed as a result of a great war, a war that Xena had played an important role. That way we could portray them differently depending on the tribe we were with. The idea of Gabrielle being an Amazon Princess was just a result of where the script went. To set up the dynamics and the conflicts, I had to have Gabrielle plunged into the center of Amazon politics. That Gabrielle would protect Terreis with her life was just natural for Gabrielle. But Terreis was a wise Amazon. In the very short time she knew Gabrielle, she knew that Gabrielle might be able to help her tribe in a dangerous time. So she transferred the Rite of Caste to Gabirelle, making her a Princess by default. All that was intended to service that story. But I didn’t want to just have Gabrielle give up her position, I thought it would be interesting for her to keep it. It became a major part of the series from that point on. 

MC - What was the deadline for the delivery of a finished script? 

SS - It really depended on the schedule. This is really a larger question about TV series in general. If we have two months to get a script ready, it takes two months. If we have one week, it takes one week. The production schedule doesn’t slow down. But in general (and this is very general) a writer is given two weeks to write a story outline, two weeks to write a first draft, and two weeks to write a final draft. So that’s six weeks. But that’s deceptive because once the original writer is finished with her obligation, the script might go through further changes depending on production concerns, casting problems, and any number of other situations. Most production companies try to get as many scripts written as they can before they start production. Even though it might take six weeks to write a script, it only took seven days to shoot it. So we run through them pretty quickly. 

MC - How was your relationship with Lucy Lawless and Renee O'Connor in day-to-day, while recording the episodes? 

SS - Very very little contact with them day to day. Remember, they were in New Zealand and the writers and producers were in Los Angeles. Rob was in New Zealand most of the time, so there was no need to rotate the producers back and forth. Most of my time was spent in Los Angeles, so I only saw them when they were back in Los Angeles. That was usually when we weren’t shooting the series. Of course, we were only a phone call away, but there was a huge time difference, so we didn’t talk frequently on the phone. Funny, but I really got to know Lucy, Renee, Hudson and everyone else much more after the series was over. 

MC - Steven, you once said that if you were the author of the last episode of the sixth season, Xena was fighting a great battle like that of Corinth, with the goal of letting Gabrielle as the queen of nations. If produce a seventh season, how do you resurrect Warrior Princess? 

SS - I was once asked if there was anyway to bring Xena back from her death. I responded “Like we haven’t done that before???” So I don’t know exactly how I would do it as I haven’t really thought about it, but I have no doubt that it can be done. There are many scenarios where that could happen, so no worries there. 

MC - During the seasons when you were a writer, what was the biggest obstacle faced by the team? 

SS - Hmmm… I don’t know if I have an answer for that because I don’t think that way. Like when people ask me what my favorite episode was or my favorite of anything. It all depends on specifically what we are talking about. So we had many obstacles and we overcame all of them. Just something as simple as a location not being available can be an obstacle, but we deal with that. Lucy breaking her hips on the Jay Leno show was probably one of our biggest tests (and I am very proud of what we managed to do in response to that!). And just keeping the series fresh with interesting stories is difficult, especially after you’ve had a couple of years of episodes behind you. I give credit to Rob Tapert for that; he was always pushing the boundaries as far as what our series could do. So obstacles? Well, how would Xena answer that? “Obstacles are just opportunities trying to hide.” 

MC - Shows how XWP, require a lot of research for to treat certain subjects. A great example is the episode "Hooves and Harlots", where the Amazons first appear. On this episode, what were your main sources of research? 

SS - I’m a bit of a historian, so I do a lot reading about the past. Especially military history. I also have been fascinated with women and their role in history, especially when they break the mold. So I’d done a lot of research long before Xena came along. Aside from that, I also created these Amazons in the image of what I wanted to believe a good, strong and just Amazon nation would be like. The rest was putting the conflicts into motion and seeing them through. “The Encyclopedia of Amazons” by Jessica Salmonson is an excellent book, by the way.

MC - In "The Greater Good". Gabrielle is caressing Xena's face while she is unconscious. You, being the writer of this episode, could you tell us what was going on in the mind of the Bard that moment? What was your inspiration for writing it? 

SS - Well, the inspiration for writing the episode was to show that there are, sometimes, no easy choices but there can always be a “Greater Good” that is more important than our selfish needs. It’s about self-sacrifice for a noble cause. The “Greater Good” was one of several scripts I wrote to show the growth of Gabrielle from the little innocent village girl into the woman who had to deal with the dark world of Xena’s life. There was another aspect to this as well. I also wanted to bring in Salmoneus and show that he, despite his obvious comedic/businessman demeanor, was also a real human being with real concerns for others. Unfortunately this was one of the episodes that came in way over time, so we to cut out a lot of Salmoneus’s reactions to Xena’s death. But even Salmoneus going to Talmadeus was him trying to trade himself for the lives of the villagers. 
So there was a lot going on. And to illustrate all this, Xena tells Gabrielle to remember “The Greater Good”. By this, she meant that her own life (Xena’s) wasn’t as important as the greater good, the well being of the innocent villagers. And. as many people forget, this was when we also see the first introduction of Callisto. Or, rather, we see her first action against Xena (of course, Hudson doesn’t appear until the next episode, in “Callisto”)<< 

MC - In his opinion, if the series was in progress in our decade, would have the same audience that had at the time it was released? He had so many fans that persist today, immortalizing the history of the series? And the relationship between Xena and Gabrielle would be more explicit? 

SS - Those are all good questions and they are hard to answer for many many reasons. Would we have the same audience? Well, that would assume that all the fans we had back then would still be fans now. In fact, what’s survived all these years are the hard-core fans. Add to that, many fans that have come on board since then, by watching old episodes and the DVD collections. But those new people are seeing the series as it was. The thing we can say with certainty is that the series (as it was) still touches people after over a decade after the last episode. Not many series can say that. For Xena to have survived this long would have required an evolution of the characters and their world. And, to that, it would have required an evolution of the audience. Could we (the production staff) have managed that? Maybe. Maybe not. 
As to the question whether it would be more explicit, that’s a harder one. Odds are it might be a bit more, but not overt. This is just a recognition of marketing and not of personal desire. If we’re talking about the subtext of their romantic relationship (and I assume we are), keep in mind that even though we do have series with are openly gay, they are considered “cult” series even now and don’t get as much exposure as mainstream series. As the rest of the world evolves, that will change. Right now, certainly in the United States, it hasn’t changed enough. But who knows? It’s a future that didn’t happen. 

MC - Steven, Xena destroyed many villages, killing thousands of people, but realized the damage it was doing in his life and decided to help others, so when she died crucified, went to heaven and if not for the war between heaven and hell, she'd still be there. In your opinion, why she had to die in AFIN? She was not more than redeemed? And How would you summarize the entire path of the warrior princess, from the day she fought to defend Amphipolis to life with Gabrielle? 

SS - I can’t answer that. Not because I don’t want to or wouldn’t be able to, it’s because I haven’t seen the series since I left it (to create SHEENA). To this day, I’ve not seen the episode for the sixth season and half of the fifth season. The reasons for that are complicated, but it had to do with being too busy creating my own series and that I still felt an attachment for the series, so I’d drive myself crazy wishing I was still there. After SHEENA went off the air, I realized I’d have to start watching the series from, probably, the fourth season at least and all the way through to the end. 
I will say this, though. Every one of us writing the series had a slightly different take on what Xena was doing with her life. As the directors and actors had their own interpretations (I’ve had some fascinating discussions with Hudson, looking back and talking about how I wrote something and how she read it). For me, I never felt Xena was trying to redeem herself. In my mind, Xena already felt she was a lost cause. She had done too much damage, killed too many people, destroyed too many lives to ever be redeemed. Her mission was not to redeem herself for anything. But in Gabrielle, she saw something of the young girl she was at one time. And if she couldn’t be redeemed, maybe she could see how she might have been if she had made different choices and followed a different heart. The goodness in Gabrielle’s heart rang in harmony with the long dead goodness in Xena. That was reawakened. And while she couldn’t redeem herself, maybe she could be the person she was always made to be. The person who is willing to give all for the Greater Good. 

MC - With so many confirmations that Xena and Gabrielle are a couple, there are still people who say they love each other as good friends. What is your opinion about it? 

SS - I think it’s all there for everyone, however they want to see it. That the two were closer than sisters and true soulmates can be said by both sides. That they stayed with each other through heartache, sadness, joy, happiness, devastation, and death says a lot about their bond, but is that any less whether or not they were lovers? If it hinges on whether they had sex or not, well, I think that misses the point of what love really is. So whatever you feel is right. For you. Xena and Gabrielle never labeled themselves because they never felt the need to. 

MC - With so many crazed fans wanting a continuation of the series, you believe that a film can still come out, or is planned for a future far away? You would like to participate as a screenwriter? 

SS - I think a film will eventually be made. That’s just good marketing sense. Xena has become a part of pop culture history, so the name alone is still recognizable. Any XENA movie would get people interested just by the name alone. But take a look at how those TV-To-Film movies are made. The A-TEAM movie is a good example. It took twenty years to get that made and, though it roughly followed the original premise, it was recast and updated. The remaining original cast members were cameos in the movie. It’s very possible that will be the fate of a XENA movie. Would I like to participate as a screenwriter? Of course I would! But, realistically, I wouldn’t be asked. That has more to do with the Film business than me, but that’s how it goes. 

MC - How if feel the heart of Steven L. Sears to know that the series is celebrating 17 years of existence, with so many fans today, this fandom that grows every day? 

SS - I’m pretty amazed by it. Xena has meant so much to so many people. For the positive changes it has made in people’s lives, I am humbled and feel honored to have been a part of that. As William Shatner pointed out to me, Star Trek has a huge and enduring fandom, but Star Trek has had many different incarnations, from spinoff series to major motion pictures. Xena didn’t have the benefit of all that, but still has such an intense fandom that competes with Star Trek. He finds that fascinating and so do I. Xena came about at the right time, with the right people, for the right audience. It was catching lightning in a bottle and it’s rare that all those things come together. 
That we still have as many fans that we do, and that the conventions still get large numbers, and that people around the world are crying out for conventions of their own, it’s hard not to look at all of that and think “Wow! I was a part of that!” 

MC - Steven, thank you for this delightful interview, the Brazilian fandom thanks! 

SS - Tell everyone I said "Hi" and that I love them all! 





Tradução:



Steven Lee Sears é um escritor e produtor televisivo norte-americano. Ficou conhecido mundialmente por escrever e co-produzir a série Xena: A Princesa Guerreira. 
Enquanto inicialmente começava a carreira como ator, Sears obteve grande sucesso com sua escrita e começou a se dedicar em tempo integral a isso, em 1984 (com a série Riptide), acumulando um impressionante currículo como escritor, editor e produtor em programas como Stingray, The A-Team, JJ Starbuck, The Highwayman, Father Dowling Mysteries, Swamp Thing e Raven. Ele também escreveu para programas como Hardcastle and McCormick, Superboy, The Hollywood Detective, Jesse Hawkes, Hardball, Grand Slam e Walker, Texas Ranger. 
Sears atualmente mora em Los Angeles, Califórnia e é representado pela Stein Agency.  
Steven, um doce, como só ele nos deu essa entrevista incrível, espero que gostem! 



Monique Cantuário - Como você recebeu o convite para participar da equipe de XWP? E qual foi sua reação? 

Steven L. Sears - Um dos produtores originais de Xena foi Lilica Greyhosky. Ela estava na série apenas para os seis primeiros episódios. Conheço Lilica há anos, então ela me ligou e disse que estava trabalhando em uma nova série e que ela sentiu que eu pudesse gostar de participar. Então ela me levou para conhecer Rob e RJ e todos os outros. Eu já sabia sobre Hércules e eu pensei que era um show divertido. Então eles me mostraram os episódios originais de Hercules com Xena e eu pensei que era uma idéia fantástica. Especialmente se for preservado o mesmo humor e coração como Hercules. Nessa reunião, eu estava pedindo um monte de perguntas e eu descrevi uma idéia para um episódio. Essa idéia se tornou "DREAMWORKER". Eles me contrataram para escrever o roteiro e depois de lê-lo, eles me pediram para vir a bordo como um consultor criativo. Eles já tinham as suas posições de produtores completas, mas eu queria trabalhar no show, então eu concordei. Quando Lilica deixou o show, fui promovido para a posição de produtor supervisor. 

MC - Quando Gabrielle decidiu seguir Xena, ela era apenas uma jovem e sonhadora barda. De onde surgiu a idéia de transformá-la em uma princesa amazona? 

SS - Muitas vezes, algumas coisas são escritas em scripts apenas para servir à essa história em particular, mas começar a ter uma vida, continua de suas próprias. Esse foi o caso com a idéia de Princesa Amazona. Rob queria um episódio que incluia Amazonas. Eu assisti os episódios de Hércules que lidam com as Amazonas e, embora eu gostasse delas, elas não estavam do jeito que eu as imaginei. Então, em vez de usar o seu conceito de amazonas, eu decidi criar a idéia de que as amazonas, como uma nação outrora poderosa de tribos divididas e dispersas, como resultado de uma grande guerra, uma guerra que Xena tinha desempenhado um papel importante. Dessa forma, pudemos apresentá-las de forma diferente dependendo da tribo. 
A idéia de Gabrielle ser uma princesa Amazona, era apenas um resultado do qual o script foi. Para configurar a dinâmica e os conflitos, eu tinha que ter Gabrielle mergulhada no centro da política Amazona. Gabrielle que iria proteger Terreis com sua vida, era apenas natural para ela. Mas Terreis era uma sábia Amazona. No curto espaço de tempo ela sabia que Gabrielle poderia ser capaz de ajudar a tribo em um momento perigoso. Assim, ela transferiu o Direito de Casta para Gabrielle, fazendo dela uma princesa por padrão. Tudo o que foi destinado a atender essa história. Mas eu não queria que Gabrielle desistisse de sua posição, então eu pensei que seria interessante para ela mantê-la. Ela transformou-se em uma parte importante da série a partir desse ponto. 

MC - Qual era o prazo para a entrega de um roteiro pronto? 

SS - Isso realmente depende da programação. Esta é realmente uma questão mais ampla sobre a série de TV em geral. Se temos dois meses para obter um script pronto, leva-se dois meses. Se temos uma semana, leva uma semana. O cronograma de produção não abranda. Mas, em geral (e isso é muito geral) para um roteirista é dada duas semanas para escrever um esboço de história, duas semanas para escrever o primeiro rascunho, e duas semanas para escrever um rascunho final. Então, isso é de seis semanas. Mas isso é enganoso porque uma vez que o roteirista original cumpre com sua obrigação, o script pode passar por novas alterações dependendo das preocupações da produção e qualquer número de outras situações. A maioria das empresas de produção tem que tentar chegar ao maior número possível de scripts escritos, antes de iniciar a produção. Mesmo que possa levar seis semanas para escrever um script, ele leva apenas sete dias para filmar. Então, passa por eles muito rapidamente. 

MC - Como era seu relacionamento com Lucy Lawless e Renee O'Connor no dia-a-dia, durante a gravação dos episódios? 

SS - Tive muito pouco contato com elas no dia a dia. Lembre-se, que era na Nova Zelândia e os roteiristas e produtores foram em Los Angeles. Rob estava na Nova Zelândia a maior parte do tempo, por isso não havia necessidade de os produtores irem para lá. Maior parte do meu tempo foi gasto em Los Angeles, então eu só os vi quando elas estavam de volta em Los Angeles. Que era geralmente quando não estávamos filmando a série. É claro, nos falávamos pouco por telefone, mas havia uma diferença de tempo enorme, por isso não falamos freqüentemente por telefone. 
Engraçado, mas eu realmente tive que saber mais sobre Lucy, Renee, Hudson e todos os outros muito tempo depois que a série acabou. 

MC - Steven, você disse uma vez que, se você fosse o roteirista do último episódio da sexta temporada, Xena estaria lutando uma grande batalha como a de Corinto, com o objetivo de deixar Gabrielle como a rainha das nações. Se produzissem uma sétima temporada, como você ressuscitaria a princesa guerreira? 

SS - Uma vez me perguntaram se havia alguma maneira de trazer Xena de volta de sua morte. Eu respondi "Como não fizemos isso antes??" Então, eu não sei exatamente como eu iria fazê-lo e como eu realmente não pensei sobre isso, mas não tenho dúvida de que isso pode ser feito. Há muitas situações de onde isso poderia acontecer, por isso não há preocupações. 

MC - Durante as temporadas em que você foi roteirista, qual foi o maior obstáculo enfrentado pela equipe? 

SS - Hmmm ... Eu não sei se eu tenho uma resposta para isso, porque eu não penso dessa forma. Gosto quando as pessoas me perguntam qual foi o meu episódio favorito ou algo sobre um episódio. Tudo depende especificamente do que estamos falando. Então, nós tivemos muitos obstáculos e superamos todos eles. Só uma coisa tão simples como um local não estar disponível pode ser um obstáculo. O fato de Lucy fraturar a pélvis no programa de Jay Leno foi, provavelmente, um dos nossos maiores testes (e eu estou muito orgulhoso do que conseguimos fazer em resposta a isso!). E apenas manter a série com histórias interessantes é difícil, especialmente depois que você teve um par de anos de episódios atrás de você. Eu dou crédito a Rob Tapert por isso, ele estava sempre empurrando até os limites, tanto quanto o que a nossa série poderia fazer. Então obstáculos? Bem, como Xena responderia isso? "Obstáculos são apenas oportunidades que tentam se esconder." 

MC - Séries como XWP, exigem muita pesquisa para tratar determinados assuntos. Um ótimo exemplo é o episódio "Hooves and Harlots", onde as amazonas aparecem pela primeira vez. Sobre este episódio, quais foram as suas principais fontes de pesquisa? 

SS - Eu sou um pouco historiador, então eu faço muita leitura sobre o passado. Especialmente história militar. Eu também sou fascinado pelas mulheres e seu papel na história, especialmente quando elas quebram o molde. Então eu fiz um monte de pesquisa muito tempo antes de Xena aparecer. 
Além do que, eu também criei estas amazonas na imagem do que eu acredito ser bom, forte e apenas como seria uma nação Amazona. O restante foi colocando os conflitos em movimento e vê-los passar. 
"A Enciclopédia das amazonas" por Jessica Salmonson é um excelente livro. Recomendo! 

MC - Em "The Greater Good". Gabrielle acaricia o rosto de Xena, enquanto a mesma está inconsciente. Você, sendo o roteirista deste episódio, poderia nos dizer o que se passava na mente da barda naquele momento? Qual foi sua inspiração para escrevê-lo? 

SS - Bem, a inspiração para escrever o episódio foi mostrar que as vezes há escolhas fáceis, mas sempre pode haver um "bem maior" que é mais importante do que as nossas necessidades egoístas. É sobre o auto-sacrifício por uma causa nobre. 
O "Bem Maior" foi um dos vários scripts que escrevi para mostrar o crescimento de Gabrielle, da menina inocente de uma pequena aldeia, em uma mulher que teve de lidar com o mundo sombrio da vida de Xena. Havia um outro aspecto a isso também. Eu também queria trazer Salmoneus e mostrar que ele, apesar de sua atitude óbvia comédia/empresário, também era um ser humano real com as preocupações reais para com os outros. Infelizmente este foi um dos episódios que vieram em forma ao longo do tempo, de modo que cortasse uma série de reações de Salmoneus com a morte de Xena. Mas mesmo assim Salmoneus vai à Talmadeus para negociar o corpo de Xena, pela vida dos moradores. 
Portanto, não havia muita coisa acontecendo. E para ilustrar tudo isso, Xena diz para Gabrielle lembrar "Do bem maior". Por isso, ela queria dizer que a sua própria vida (Xena) não era tão importante quanto o bem maior, o bem-estar dos moradores inocentes. E como muitas pessoas esquecem, isso foi quando vemos também a primeira introdução de Callisto. Ou melhor, nós a vemos primeira ação contra Xena (claro, Hudson não aparece até o próximo episódio, em "Callisto").

MC -  Em sua opinião, se a série estivesse sendo produzia em nossa década, teria a mesma audiência que tinha na época em que foi lançada? Teria tantos fãs que persistem até hoje, imortalizando a história da série? E a relação entre Xena e Gabrielle seria mais explícita? 

SS - Essas são todas boas perguntas e elas são difíceis de se responder por muitas razões. Será que temos o mesmo público? Bem, isso seria assumir que todos os fãs que tínhamos naquela época ainda seriam fãs agora. Na verdade, o que sobreviveu a todos estes anos são os fãs hard-core. Acrescente a isso, muitos fãs que vieram a bordo, desde então, assistindo episódios antigos e coleções de DVD. Mas essas novas pessoas estão vendo a série como era. A única coisa que podemos dizer com certeza é que a série (como foi) ainda toca as pessoas, após mais de uma década do último episódio. Muitas séries não podem dizer isso. Para Xena ter sobrevivido tanto tempo teria exigido uma evolução dos personagens e seu mundo. E, para isso, ele teria exigido uma evolução da audiência. Poderíamos (a equipe de produção) conseguirmos isso? Talvez. Talvez não. 
Quanto à questão de saber se seria mais explícita, é bem mais difícil. As probabilidades são de que poderia ser um pouco mais, mas não evidente. Este é apenas um reconhecimento de marketing e não de desejo pessoal. Se nós estamos falando sobre o subtexto e de seu relacionamento romântico (e presumo que nós estamos), tenha em mente que mesmo que estejamos com uma série abertamente gay, eles são considerados "cult" da série até agora e não ficam com muita exposição como corrente principal da série. Como o resto do mundo evolui, que vai mudar. Agora, certamente, nos Estados Unidos, ele não mudou o suficiente. 
Mas quem sabe? É um futuro que não aconteceu. 

MC - Steven, Xena destruiu muitas aldeias, matando milhares de pessoas, mas percebeu o dano que ela estava fazendo em sua vida e decidiu ajudar os outros, por isso, quando ela morreu crucificada, foi para o céu e se não fosse a guerra entre o céu e o inferno, ela ainda estaria lá. Na sua opinião, por que ela tinha que morrer em AFIN? Ela não estava mais do que redimida? E Como você resumiria o caminho inteiro da princesa guerreira, a partir do dia em que ela lutou para defender Anfípolis à vida com Gabrielle? 

SS - Eu não posso responder isso. Não é porque eu não quero ou não seria capaz , é porque eu não vi a série desde que eu deixei (para criar Sheena). Para este dia, eu não vi o episódio para a sexta temporada e metade da quinta temporada. As razões para isso são complicadas, mas que tinha a ver com estar ocupado demais criando minha própria série e que eu ainda me sentia um anexo para a série. Após Sheena sair do ar, percebi que teria que começar a assistir a série a partir, provavelmente, a quarta temporada pelo menos, e todo o caminho até o fim. Eu vou dizer isso, porém. Cada um de nós que escreveu a série tinha um modo diferente de assumir o que Xena estava fazendo com sua vida. Como os diretores e atores tinham suas próprias interpretações (eu tive algumas discussões fascinantes com Hudson, olhando para trás e falando sobre como eu escrevi alguma coisa e como ela lia). Para mim, nunca senti que Xena estava tentando se redimir. Em minha mente, Xena já sentia que era uma causa perdida. Ela tinha feito muito dano, matou muitas pessoas, destruiu também muitas vidas para nunca serem resgatadas. Sua missão não era de se redimir por nada. Mas em Gabrielle, ela viu algo da menina que era ela ao mesmo tempo. E se ela não pudesse ser resgatada, talvez ela pudesse ver como ela poderia ter sido se tivesse feito escolhas diferentes e seguisse um coração diferente. A bondade no coração de Gabrielle tocou em harmonia com a bondade morta há muito tempo em Xena. Que foi despertada. E enquanto ela não poderia se redimir, talvez ela pudesse ser a pessoa que ela sempre foi feita para ser. A pessoa que está disposta a dar tudo para o bem maior.  

MC - Com tantas confirmações que Xena e Gabrielle são um casal, ainda há pessoas que dizem que elas se amam como boas amigas. Qual é a sua opinião sobre isso? 

SS - Eu acho que é tudo o que há para todos, porém o que eles querem vê-lo. Que as duas eram mais do que irmãs e verdadeiras almas gêmeas, pode ser dito por ambos os lados. Que elas ficaram como os outros através da mágoa, tristeza, alegria, felicidade, devastação e morte, diz muito sobre a sua ligação, mas não é o de menos se elas eram ou não amantes? Se depende de se elas fizeram sexo ou não, bem, eu acho que não é o ponto de que o amor realmente é. Então o que você acha que é certo para você. Xena e Gabrielle nunca foram rotuladas porque nunca senti a necessidade disso! 

MC - Com tantos fãs enlouquecidos que querem uma continuação da série, você acredita que um filme pode sair ainda, ou está previsto para um futuro distante? Você gostaria de participar como roteirista? 

SS - Eu acho que um filme acabará por ser feito. Isso é sentido apenas como marketing. Xena tornou-se uma parte da história da cultura pop, de modo que o nome é ainda reconhecível. Qualquer filme de XENA iria receber pessoas interessadas apenas pelo nome sozinho. Mas dê uma olhada em como as séries de TV para filme são feitas. O filme A-Team é um bom exemplo. Demorou 20 anos para obter esse feito e, embora aproximadamente seguiu a premissa original, foi reformulado e atualizado. Os restantes membros do elenco original estavam no filme. É muito possível que seja o destino de um filme de Xena. Eu gostaria de participar como roteirista? Claro que sim! Mas, realisticamente, eu não seria convidado.

MC - Como se sente o coração de Steven L. Sears em saber que a série está comemorando 17 anos de existência, com tantos fãs até hoje, fandom esse que cresce a cada dia? 

SS - Estou muito impressionado com ele. Xena significou muito para muitas pessoas. Para as mudanças positivas que tem feito na vida das pessoas, eu sou humilde e me sinto honrado por ter feito parte disso. Como William Shatner apontou para mim, Star Trek tem um fandom enorme e duradouro, mas Star Trek teve muitas diferentes encarnações, da série spin-off e de grandes filmes. Xena não têm o benefício de tudo isso, mas ainda tem fãs com uma intensidade que compete com Star Trek. Ele acha isso fascinante e eu também. Xena surgiu no momento certo, com as pessoas certas, para o público certo. Ela foi tentar pegar um relâmpago em uma garrafa e é raro que todas essas coisas vêm juntas. 
Que ainda temos e que fazemos tantos fãs, e que nas convenções ainda conseguem obter grandes números, e que as pessoas ao redor do mundo estão clamando por convenções próprias, é difícil não olhar para tudo isso e pensar "Uau! Eu era uma parte disso! " 

MC - Steven, obrigada por esta entrevista prazerosa, o fandom brasileiro agradece! 

SS - Diga a todos que eu disse "Olá" e que eu amo todos eles! 




Entrevista e tradução: Monique Cantuário





Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para evitar comentários com conteúdo chulo e ofensivo, todos serão moderados, certo?

Ѳ Comente pelo Facebook!

Ѳ Mais Vistos