Após a morte de Xena, no Monte Olimpo...


- Meu irmão ... como se sente agora que ela se foi para sempre?

- Sabe, Afrodite, o que mais me dói é não ter podido fazer nada para impedir...
- É ... mas será que nós não conseguimos trazê-la de volta, Ares?
- Não. Foi uma escolha dela, não devemos interferir. 
- Mas você sempre interferiu na vida da Xena.
- Isso mesmo. Interferia na vida dela, não na morte. Lembra que eu não pude fazer nada quando achei que ela e Gabrielle pareciam mortas ao tomarem as lágrimas de Celesta? Tudo o que fiz foi tentar conservar o corpo delas no gelo.
- Sim, mas quando elas voltaram e tiveram problemas por causa da Eva, você trocou sua divindade pela vida das duas pessoas que Xena mais amava.
- Eu fui um sentimental. Nem sei como posso ser chamado de ‘o deus da guerra’.
- Você amava a Xena, Ares, admita! Sou sua irmã, estamos sozinhos aqui! Pode se abrir comigo.
- A Xena sempre foi meu maior sonho. Tive ela algumas vezes ao meu lado, mas depois que aquela loira irritante apareceu, todos os meus planos iam por água abaixo, quando eu tentava trazer Xena de volta pra mim.
- Não fale assim da Gabrielle. Ela é minha amiga.
- Com o tempo, até aprendi a gostar da Gabrielle, afinal, ela ficava cada vez mais parecida com a Xena.
- Não está pensando em ir atrás da Gabrielle para tentar tornar dela sua guerreira, está?
- Não, não... Sei que com ela não tenho a menor chance.
- Mas continue... Xena era seu maior sonho e ....
- E eu fiz muito mal à ela, admito. Ela queria mudar e eu não queria perdê-la. E mesmo ela se tornando uma guerreira do bem, ainda assim eu a queria. Isso não foi coisa sua, Afrodite?
- Claro que não! E nem do Cupido. Você se apaixonou por uma mortal por livre e espontâneo sentimento.
- Acho que sim....
- Continue....
- Confesso que está sendo difícil saber que não verei mais Xena, ter esta certeza sólida me arrebenta por dentro. Das outras vezes, foi diferente. Eu não era tão apaixonado, tinha os meus princípios. Mas doía muito cada vez que eu a via em apuros e das vezes em que a vi morrer. Quando era eu que a colocava em certos apuros, eu mesmo poderia livrá-la, era como um jogo. Mas quando não pude defendê-la de César e fui obrigado a ver sua crucificação e morte naquele inverno, foi como se meu propósito como deus da guerra tivesse acabado. Me senti um derrotado... Mas não mais derrotado quando os outros deuses a fizeram ‘se matar’. Naquele dia, perdi o chão, e convenci a mim mesmo de que sua alma gêmea era a Gabrielle e não eu. Por isso, as coloquei juntas nas tumbas de gelo. Eu queria, ao menos, conservar aquele belo corpo... E não resisti ao encontrar sua filha já adulta. Afinal, ela carregava o sangue de Xena nas veias. Foi o modo que encontrei para aliviar a minha dor.
- Mas Xena voltou.
- Sim, voltou, e junto com ela voltaram todos os meus sentimentos. Argh, como posso estar falando em sentimentos? Eu sou um deus! O deus da guerra!
-  Ares, o amor de Gabrielle por Xena a modificou, assim como o seu amor por ela modificou a você mesmo.
- É verdade. Quando me tornei mortal e pude conviver com elas como um ser humano, algo realmente mudou dentro de mim. Vi como é difícil de se viver lá embaixo. Passei frio, calor, fome, sede, medo.... E Xena ficou do meu lado, mesmo depois de eu ter feito tanto mal à ela e Gabrielle.
- Mas você salvou a Gabrielle. Salvou a filha dela. Xena sempre será grata a você por isso, meu irmão!
- Eu sei. Mas jamais terei o que, no fundo, eu sempre quis: o amor de Xena. Você poderia ter me ajudado nisso, não é, irmãzinha?
- Não posso interferir no destino. Fiz isso algumas vezes e me dei mal. Ainda mais quando se trata de almas gêmeas. Foi nosso pai, Zeus, quem separou as almas, e jamais poderemos interferir nisso.
- Ainda me encontrarei com Xena, quando ela reencarnar e, talvez, Gabrielle não esteja por perto quando isso acontecer.
-  Por falar nela, vou ver como ela está se saindo sem Xena. Você não desiste mesmo, hein, Ares?
- Não! Eu sempre amei Xena e a amarei por toda a eternidade...



por Math Pitbull  


Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. *_* Olhos brilhando,,, que irado!
    Ares e Aphrodite! Gostei bastante desse texto!
    E sempre me perguntei pq os deuses nunca interferiam quando era necessário...

    ResponderExcluir
  2. Obrigado!

    Talvez eles nem sempre interferiam por causa do destino...

    ResponderExcluir

Para evitar comentários com conteúdo chulo e ofensivo, todos serão moderados, certo?

Ѳ Comente pelo Facebook!

Ѳ Mais Vistos