Diário de Gabrielle – Provando a Teoria GabLes – O Amor (Último Capítulo)


Cap. 1 - Cap. 2 - Cap. 3 - Cap. 4 - Cap. 5 - Cap. 6 
 Cap. 7 - Cap. 8 - Cap. 9 - Cap. 10 - Cap. 11 - Cap. 12


por Monique Cantuário




     Pergaminho...

   Alguns meses se passaram desde a última vez que escrevi... Ando totalmente sem tempo, Xena e eu estamos viajando sem parar...

     Mas o mais importante é que estou muito feliz... Os deuses ouviram as minhas preces!

    Muita coisa aconteceu, o que apenas afirmou que o meu lugar é ao lado de Xena... Meus pais aceitando ou não, é com ela que quero ficar...

     Nós passamos por momentos bastante interessantes e que foram até...

     Que os deuses me perdoem por dizer isso!

     ... Excitantes!

    Nunca na minha vida imaginei que fosse passar por coisas tão incríveis, a experiência de ter sido uma bacante foi estranha... Quando fomos derrotar Baco, acabei me tornando uma...

      Mas pergaminho...

     Um dos momentos em que me encontrei em total êxtase foi quando me vi totalmente entregue dançando entre duas bacantes na festa em que estávamos!

     Aquelas mulheres ao meu redor e aquela música envolvente me deixaram anestesiada, fiquei fora de mim, cheguei ao ponto de querer que aquela dança fosse mais além...

     Da maneira em que me encontrava, se não fosse pelo tapado do Joxer, acredito que meu desejo teria se concretizado!

    Mas a mais excitante foi quando estava transformada... Me tornei uma bacante... Tentei lutar contra meus desejos, mas era mais forte do que eu...

    Não era qualquer sangue que eu desejava...

    Era o de Xena... Somente o dela saciaria minha sede...

    Eu queria tomá-la e sugar até a última gota de sangue daquele corpo...

   Só os deuses sabem o quanto eu tive que me controlar, lutar contra mim mesma, para não sucumbir a esse desejo!

   Quando fui ao covil de Baco e estava prestes a tomar de seu sangue, Xena chegou de uma hora para outra, tentando me impedir de fazer isso.

   Pelos deuses!

   Tudo isso nos proporcionou um momento íntimo... Xena tinha que se transformar em bacante para poder derrotá-lo.

   O que mais me intrigou naquele momento foi que ela poderia ter deixado qualquer uma daquelas bacantes mordê-la...

   Mas não...

   Ela simplesmente me escolheu, queria que eu a mordesse...

   Me senti completamente excitada, apesar de estar naquela forma, não perdi totalmente os meus sentidos!

   Tudo ofertado pra mim, Xena completamente entregue a mim...

  Sem perder mais tempo, aprofundei totalmente meus dentes naquele pescoço macio... Eu queria sugá-la até a última gota, mas tive que lutar bravamente contra a força poderosa que me dominava...

   Tive que parar, pois o objetivo era outro....

  Xena se transformou e o matou... Tudo voltou ao normal, confesso que não consegui esconder minha timidez perante as lembranças daquele momento tão íntimo!

   Mas pergaminho...

  Ao entardecer, após repensar sobre o que havia acontecido, criei coragem e coloquei Joxer pra correr, pois eu estava disposta a arriscar de forma mais direta um envolvimento ainda mais íntimo com Xena. Eu deixei claro que faria qualquer coisa para compensá-la por sempre me salvar, mas bem nessa hora o Joxer resolveu berrar alguma coisa e Xena acabou voltando a atenção pra ele. Eu poderia jurar que a forma como ela me olhou milésimos de segundos antes era dizendo que me desejava, que me queria. Mas não sei, ela não disse nada, falou do Joxer e a minha tentativa foi em vão, foi frustrada, fazendo assim com que a minha timidez se tornasse ainda maior...

 Naquele mesmo dia, ao anoitecer, quando estávamos sob os cobertores, conversávamos sobre os últimos acontecimentos, até que Xena falou sobre a mordida...

  Juro por todos os deuses que quando ela mencionou isso, tudo o que eu queria era um buraco para me esconder, para que ela não percebesse a minha tamanha timidez!

  Mas o que me deixou surpresa foi ela ter alegado que somente eu poderia mordê-la, que não deixaria mais ninguém fazer aquilo!

  Fiquei completamente sem palavras e me perguntando: “Será que é algum aviso de fidelidade ou apenas coisa de grandes amigas?” ... Tive que me concentrar pra não me perder em meus pensamentos... A única coisa que consegui fazer foi agradecê-la pela confiança e dizer que foi difícil, pois eu não queria machucá-la... Fiz apenas por instinto!

  Mas pergaminho... Claro que menti, eu queria mordê-la...

  Xena foi logo tratando de acabar com as minhas desculpas e me fazer dormir... Dessa vez ela me abraçou, totalmente consciente do que estava fazendo... Não me assustei, apenas aproveitei o momento e me aconcheguei em seus braços e ficamos assim a noite inteira...

  Dias se passaram desde o dia em que enfrentamos Baco, estava tudo tão bem entre Xena e eu...

  Ela parecia estar começando a se deixar levar e eu aproveitando cada oportunidade pra saber quais eram os seus verdadeiros sentimentos a meu respeito...

  Mas eis que surge uma surpresa...

  Perdicas reaparece do nada... Ainda bem que Xena e eu escutamos movimentação nos arbustos e quando ela foi verificar era ele quem estava atrás de nós!

  Graças aos deuses, ele não nos pegou abraçadas, estávamos dormindo muito próximas uma da outra...

  Ele nem esperou falarmos alguma coisa e já foi me pedindo em casamento, isso me deixou completamente surpresa, jamais imaginei que o reencontraria e muito menos me abordasse desse jeito!

  Senti que Xena não gostou dessa história, o que também me deixou intrigada...

  Se ela sentia algo por mim, porque não disse? Porque não se abriu pra mim?

  Acho que Xena é covarde quando o assunto é sentimento...

  Pedi que Xena me deixasse a sós com Perdicas... Expliquei a ele que eu não era mais aquela garotinha que ele reencontrou durante a guerra de Tróia... Que eu havia mudado muito...

  Ele continuou insistindo nessa história... Mas eu jamais poderia aceitar essa proposta, jamais me casaria com quem não amo...

  Pergaminho...

  Pelo menos era isso que eu pensava...

  Xena e eu conversamos algumas vezes durante o dia... Deixei bem claro pra ela que eu não me casaria com Perdicas...

  Mas ela arrebatou qualquer esperança que eu tivesse naquele momento...

  Disse que se eu estivesse feliz, ela também estaria... Que eu não deveria me importar com ela...

  Aquilo me fez pensar seriamente e não posso negar que cheguei a aceitar a proposta dele, pois pensei que assim ela poderia me impedir de casar ou até mesmo me sequestrar na hora do casamento e finalmente se declarasse pra mim...

  Mas isso é pedir demais...

  Durante a noite, enquanto passávamos por um vilarejo que estava sendo atacado por Callisto, Xena, Perdicas e eu iniciamos uma luta. Enquanto lutávamos contra os soldados, percebi que Perdicas estava parado em frente ao corpo de um guerreiro que ele havia acabado de matar, dizendo que não queria mais aquilo, que não poderia mais pertencer àquela vida...

  Nesse momento senti que era a minha chance de dar uma oportunidade a Perdicas e também uma oportunidade de esquecer meus sentimentos com relação a Xena... Eu não poderia passar a vida inteira vivendo naquela dúvida e Perdicas seria a minha chance de esquecer!

  Pergaminho...

  Eu disse “SIM” ao pedido de casamento de Perdicas!

  Nós já fomos noivos uma vez e talvez concretizando o que iríamos fazer, nosso casamento iria dar certo... Duraria muito tempo! Eu o estava salvando e me tirando daquela indecisão com relação aos sentimentos de Xena por mim!

  No casamento, o mais doloroso foi ter que me despedir de Xena, pois eu não viajaria mais ao seu lado...

  Xena e eu nos despedimos de uma forma tão bonita, até nos beijamos... Mas foi apenas no cantinho da boca... Naquele momento rezei aos deuses para que ela cumprisse sua promessa: me visitar todos os dias!

  Mas agora estando casada, teria que me acostumar a ficar sem sua companhia, Xena estaria em muitas viagens e eu não a veria com tanta freqüência...

  Quando Perdicas e eu estivemos a sós, nossa lua de mel foi tranqüila, a não ser por um detalhe...

  Eu nunca havia estado com um homem antes... Nunca tinha feito amor com homem nenhum!

  Perdicas foi extremamente carinhoso e respeitoso, completamente paciente! Mas se algo aconteceu naquela noite foi porque meus pensamentos insistiam em trazer a imagem de Xena... Me imaginei completamente entregue em seus braços, nos amando, sendo uma da outra em um momento de plena entrega!

  Quando amanheceu, resolvemos caminhar um pouco, eu estava me sentindo bem, estava me sentindo em paz... Não era tão mal estar casada com ele... Éramos apenas nós dois, sem sangue, violência e nem guerra...

  Mas estávamos errados, Callisto nos encontrou e nos atacou... Perdicas quis me defender, mas Callisto o acertou com um soco no rosto... Quase me matou se não fosse por Xena aparecer bem na hora! Ela conseguiu desferir alguns golpes em Callisto, mas a mesma atacou Perdicas e ele morreu na hora!

  Pergaminho...

 Fiquei tão triste, desolada... Como eu pude perder meu marido um dia depois do casamento? Não adiantou em nada meu esforço, casei para salva-lo e me livrar daquela indecisão, mas foi em vão!!!

  Meus esforços foram por água abaixo...

 Meu coração foi tomado por um ódio mortal, tudo o que eu queria era o sangue de Callisto em minhas mãos, eu queria torturá-la, matá-la, fazê-la pagar pela morte de Perdicas!

  Cheguei a pedir que Xena me ensinasse a manejar a espada, ela não queria, mas acabou cedendo às minhas súplicas!

  Eu estava decidida, queria matar Callisto! Xena tentou me impedir, isso me deu um ódio maior ainda, muito mais quando disse que eu teria meu objetivo, mas da maneira dela!

  Não havia compreendido isso até ver algo...

  Juro que até hoje ainda não acredito que vi aquilo...

  Xena ajoelhada, pedindo aos deuses por mim... Não escutei tudo, apenas o final... Xena nunca respeitou deus algum e vê-la naquela situação, apesar do ódio que eu estava sentindo, partiu meu coração... Ela estava querendo me proteger de mim mesma, enquanto eu estava cega de ódio. Xena queria apenas me proteger, me impedir de cometer um assassinato, salvar a minha inocência...

  Foi doloroso ver Xena se sujeitar àquilo, então decidi não envolvê-la em meus planos... Tive que mentir dizendo que estava indo pra casa, ela acreditou, não pensei que ela cairia naquela mentira, mas sua vontade de que eu não matasse Callisto era tanta que ela acreditou na minha história!

  Me despedi de Xena e fui ao encontro de Callisto... Quando cheguei, ela estava dormindo, estava aparentemente em sono profundo, pois não sentiu minha aproximação...

  Eu estava prestes a matá-la, ia cumprir meu objetivo, eu a tinha em minhas mãos, era só perfurá-la com a espada... Penetrá-la ardorosamente para que sentisse a mesma dor que senti ao perder Perdicas, ao acabar com meus planos, ao destruir o mínimo de esperança que eu havia dado a ele!

  Minha mente foi invadida por lembranças de Perdicas, Xena ajoelhada rezando aos deuses e todos os outros momentos que me fizeram perceber que apesar da dor que Callisto havia me causado, eu não tinha direito de tirar uma vida, mesmo sendo a dela, da assassina de Perdicas!

  Callisto acordou e acabou me prendendo, me usou para pegar Xena e acabou prendendo-a também!

  Mas depois que tudo acabou, Xena me explicou que Callisto havia morrido engolida pela areia movediça...

  Mas pergaminho...

  Se tudo isso tem um lado bom, foi o que me mostrou que não importa o engano que eu esteja querendo cometer, jamais poderei esquecer meus sentimentos por Xena. O casamento foi apenas uma ilusão, eu estava presa apenas pelo afeto que sentia por Perdicas, o fato de já termos sido noivos... Foi isso o que me fez pensar que daria certo... Eu o amo, mas como amigo!

  A dor de perdê-lo não chegou nem aos pés da dor que senti por ter perdido Xena...

  Ela havia sido gravemente ferida, sua coluna havia sido quebrada por um tronco que servia como armadilha enquanto salvávamos algumas pessoas...

  Xena estava sangrando muito e só me pediu que eu a levasse a um curandeiro que eu nem conhecia e muito menos sabia onde ele morava... Mas não me importei e fui atrás dele, não deixaria Xena morrer... Jamais poderia perdê-la, não daquela forma!

  Foi uma viagem extremamente difícil, longa e muito cansativa... Eu também estava ferida, mas nada se comparava aos ferimentos que Xena havia sofrido!

  Finalmente chegamos a casa do curandeiro, ele a examinou detalhadamente, fez tudo que podia, mas infelizmente não foi o bastante...

  Xena não resistiu aos ferimentos e morreu... Me deixou, me abandonou...

  Pergaminho...

  Naquele momento eu me senti desolada, aquele vazio que eu sentia antes dela aparecer, voltou mais torturante do que já era!

  Minha vida não tinha mais sentido, tudo ficou escuro... Aquela luz que iluminava meu coração apagou-se assim que Xena partiu!

  Eu não poderia me despedaçar ali, tive que juntar as poucas forças que ainda me restavam para cumprir a promessa que havia feito... Levar seu corpo até Anfípolis!

  Durante o percurso, encontrei-me com Iolaus, enquanto eu lutava contra saqueadores que queriam roubar o corpo de Xena!

  Mas graças aos deuses, Iolaus apareceu!

  Já não tinha mais forças para lutar sozinha contra aqueles saqueadores do Tártaro!

 Conversamos um pouco e eu não consegui conter as lágrimas... Ele também ficou sem acreditar no que estava vendo, Xena naquele caixão, morta... Mas ele logo se foi, para avisar ao Hércules, antes que os boatos chegassem!

  Depois disso, entramos em território amazona... Quando elas apareceram, tratei de fazer o sinal de paz, todas elas se posicionaram ao redor do caixão de Xena... Quando vi que Ephiny estava entre elas, me senti tão aliviada...

  Ephiny me convidou para ir à tribo, mas eu não podia, tinha que cumprir minha promessa... Mas ela insistiu tanto, que acabei aceitando. Elas queriam que eu tomasse meu posto como rainha e desse um funeral amazona para Xena!

  Enquanto eu resolvia minha desavença com Velasca, acabei aceitando a proposta de Ephiny e tomar o posto que é meu por direito!

   Tomei o posto de rainha, mesmo contra a vontade de Velasca... Mas quando fui visitar o caixão de Xena na tenda, encontrei com Autolycus tentando abri-lo. Eu imaginei que ele quisesse roubar o corpo dela para vender aos que pagariam milhões de dinares por sua cabeça!

  Pergaminho, por mais louco que fosse, eu estava enganada... Autolycus tentou me explicar, mas eu não acreditei...

  O que momentos depois, me mostrou que o julguei mau...

  Durante a cerimônia de cremação, Autolycus apareceu dando saltos e cambalhotas, eu fiquei completamente perplexa com o que estava vendo...

  Autolycus estava mesmo falando a verdade, Xena estava em seu corpo... Ao ver usa-lo o Chakram tão bem, tive a certeza de que era Xena, não sabia como explicar uma coisa dessa, mas era Xena quem estava lá!

  Ele conseguiu tirar o caixão de Xena da pira e eu fugi com ele, tive que ir com ele, mesmo deixando a cerimônia para trás... Fugimos o mais rápido que pudemos, para o mais longe possível...

  Chegando a uma distância segura, tratei logo de fazer com que Autolycus explicasse o que estava acontecendo, como Xena apoderou-se de seu corpo...

  Autolycus ia começar a explicar, quando senti que não era mais ele quem falava, mas Xena... A minha Princesa Guerreira, pedindo que eu fechasse meus olhos e me concentrasse em sua voz...

  Quando fechei os olhos, senti que saí de mim e consegui vê-la ao reabri-los... Eu estava frente a frente com a mulher que amo... Eu não consegui conter minha emoção, queria abraça-la, beijá-la e nunca mais soltá-la... Xena me explicou que poderia voltar, mas pra isso ela precisava da ambrosia e me pediu que a conseguisse! Escutei atentamente suas recomendações e quando eu ia abrir meu coração totalmente pra ela... Pediu que eu não dissesse mais nada e me beijou... Xena e eu estávamos nos beijando...

  Um beijo que há muito tempo desejei, muito tempo queria... Foi lento, paciente, carinhoso, saboroso... Finalmente eu estava tendo a certeza que tanto procurei... Xena também me amava, não só como amiga, como irmã, mas como mulher... Sentir seus lábios nos meus era melhor que o próprio manjar dos deuses! Eu queria aprofundar o beijo, estava a ponto de querer me entregar à ela ali mesmo... Mas infelizmente encerrou-se, quando abri os olhos e dei de cara com Autolycus. Me senti estranha, não fosse o fato dele estar com as mãos em minha bunda!

  Graças aos deuses, Xena e eu nos acertamos e tudo estava bem, agora eu tinha certeza absoluta de que ela me ama... Que nossos sentimentos são recíprocos!

  Autolycus/Xena e eu não perdemos tempo e fomos à procura da ambrosia, Xena já estava ficando fraca e precisava urgentemente dela!

  Velasca fazia de tudo para nos atrapalhar, pois também queria a ambrosia para se tornar deusa... Xena estava aos poucos desaparecendo... Quando chegamos na câmara da ambrosia, Velasca estava bem mais à frente de nós, Autolycus não podia lutar pois estava com o braço quebrado... Mas senti que Xena tinha tomado o controle do meu corpo...

  Estávamos juntas dentro do meu pequeno corpo, jamais pensei que pudesse caber nós duas!

  Mas o dividimos e trabalhamos juntas em busca da ambrosia. Velasca não conseguiu, pois caiu e ficou gravemente ferida... Mas um pedaço do manjar dos deuses, caiu em meu top...

  Quando tudo acabou, Ephiny chegou trazendo o caixão de Xena... Eu não a senti, ela havia sumido, fiquei apavorada por poder ser tarde demais... Não pude perder as esperanças e mesmo assim arrisquei!

  Abrimos o caixão de Xena e eu coloquei a ambrosia em sua boca... Demorou alguns segundos, mas o semblante de Xena tomou a cor de antes... Seus olhos se abriram levemente e senti todo o amor invadir meu coração... Quando ela ia começar a se explicar, entendi de imediato o que ela queria dizer e dei a entender que já sabia que ela me ama como eu a amo... Me senti tão feliz! O vazio que me dominava havia sumido... Minha Princesa Guerreira estava ali, voltando para mim...

   Tudo havia se resolvido, nos despedimos das meninas e também de Autolycus...

  Mas quando Xena e eu ficamos a sós, só queria ficar ali, abraçada com ela, nunca mais soltá-la, e a fiz prometer que jamais me deixaria novamente... e ela prometeu...

  Apesar de ela estar ali ao meu lado, eu ainda não acreditava que ela havia retornado, que estávamos juntas novamente... Nunca havia me sentido tão feliz...

  O melhor de tudo é que tínhamos nos acertado, finalmente estávamos juntas de fato, nossos sentimentos eram os mesmos, Xena me ama como eu a amo...

  A noite de ontem foi a melhor da minha vida, tínhamos nos entendido e Xena abriu totalmente seu coração (e seu corpo) pra mim e eu nunca pude imaginar que houvesse tanto amor em nós... Agora somos amigas e namoradas! Somos um casal apaixonado! Estou tão feliz e completa! 

  Mas pergaminho...

  Agora tenho que ir, pois daqui a pouco temos uma cerimônia para realizar, as amazonas nos esperam!

  Depois escrevo mais...

  Bom dia!




FIM






Esses 13 capítulos do Diário de Gabrielle, que hoje chega ao fim, serviram para nos mostrar que a barda, guerreira e Rainha Amazona de Potédia desde muito cedo apresentou preferência por pessoas de mesmo gênero, sendo esta preferência solidificada quando ela conheceu Xena, sua alma gêmea e grande amor. 
Nossa intenção foi relatar isso, através dessa fanfiction, até meados do episódio The Quest, que é onde acreditamos que Xena e Gabrielle assumiram seus sentimentos perante uma a outra e iniciaram um relacionamento de amor... amor de casal. 
Os acontecimentos que vieram após este episódio são argumentados, com o propósito de explicar as razões que levaram este relacionamento a momentos de separação,  contradição e traição, através da seção Visão Maintexter.
A intenção do Diário de Gabrielle sempre foi a de explicitar a natureza sexual da nossa amada Gabrielle. 

Muito obrigado pela audiência! 
Os autores desse projeto, Matheus Roberto e Monique Cantuário, agradecem muito a cada pessoa que leu e aprovou essa história. 

Mas o Diário de Gabrielle não terminou totalmente!
Há um capítulo especial e exclusivo que só tem no e-book. O link está lá em cima, baixe-o agora! ;)




Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para evitar comentários com conteúdo chulo e ofensivo, todos serão moderados, certo?

Ѳ Comente pelo Facebook!

Ѳ Mais Vistos